Exercícios de encadeamento de duas tríades

A condução de vozes em um exercício de harmonia requer uma atenção a diversos princípios musicais de forma simultânea. É necessário ficar alerta quanto ao movimento das vozes, a escolha harmônica, as resoluções obrigatórias, etc. Ao realizar esta tarefa, o estudante iniciante muitas vezes tem dificuldade de manter-se focado até a finalização de um exercício. O lapso de atenção normalmente leva ao erro no exercício.

Por essa razão, recomendo aqui a prática de exercícios muito curtos, para o desenvolvimento de habilidades e reflexos úteis nos exercícios de condução de vozes. Os músicos já estão acostumados a repetir pequenos exercícios para em seus instrumentos. A proposta é proceder com pequenos exercícios repetitivos também para aprimorar a habilidade de condução de vozes.

O exercício aqui proposto consiste no encadeamento de apenas dois acordes a quatro vozes. Dadas duas notas na voz do baixo, é necessário escolher adequadamente as outras seis notas das vozes superiores. Neste tipo de exercício, o ideal é buscar esgotar as possibilidades de harmonização. Esta prática pode desenvolver a criatividade no encadeamento e ser muito útil em situações de condução de vozes difícil.

Para a realização deste exercício, recomendo uma consulta aos capítulos 3 e 5 do Kostka e Payne em qualquer edição (ver referências no final). É necessário um entendimento inicial sobre baixo cifrado para compreender os símbolos que ocorrem embaixo das notas.

As respostas às questões abaixo podem estar publicadas em outros posts deste site. Recomenda-se tentar compreender, de fato, cada conceito.

Questões conceituais

  1. Em uma tríade em primeira inversão, qual a melhor nota para dobrar?
  2. Em uma tríade em posição fundamental, qual nota poderia ser omitida sem compromenter as características do acorde?

Treinamento da escrita

Para cada compasso de abaixo, realize o encadeamento das duas tríades a quatro vozes, considerando os príncipios de condução (extensão, espaçamento, paralelismo, etc.). Repita este exercício até que você comece a se repetir nas soluções. Lembre-se que um baixo dado como este já define o acorde a ser utilizado, dando espaço apenas para a maneira de encadear.

Após realizar o treinamento, reflita sobre o impacto da nota do baixo ser mais grave ou mais aguda no total de possibilidades de harmonização obtidas.

Treinamento da análise

  1. Identifique os acordes do coral #012 (Riemenschneider, 1941) indicando com cifra popular e cifra analítica. Informe se há alguma característica comum nas situações onde ocorrem acordes em primeira inversão. Reflita sobre as possíveis notas dobradas nestes acordes.

Referências

  1. Grove, George, e Stanley Sadie. 1980. The New Grove dictionary of music and musicians. Editado por Stanley Sadie. London Washington, D.C.: Macmillan Publishers; Grove’s Dictionaries of Music.
  2. Kostka, Stefan M., and Dorothy Payne. 1995. Tonal Harmony, with an Introduction to Twentieth-Century Music. 3rd ed. New York, NY: McGraw-Hill.
  3. Randel, Don Michael, ed. 1986. The New Harvard Dictionary of Music. Cambridge, MA: Belknap Press of Harvard University Press.
  4. Riemenschneider, Albert, ed. 1941. 371 Harmonized Chorales and 69 Chorale Melodies with figured bass. New York: G. Schirmer.
  5. Ulrich Michels. 1982. Atlas de Música. Madrid: Alianza.
Marcos Sampaio
Marcos Sampaio
Professor de Teoria e Composição Musical

Meus interesses de pesquisa incluem Musicologia Computacional, Contornos melódicos, Teoria Musical e Joseph Haydn.

Relacionados