O que é nota de passagem?

A nota de passagem é um tipo muito comum de nota melódica1 encontrado em diversos períodos da música tonal e modal.

Análise preliminar

No início da composição Blue Bossa, de Kenny Darham, há três acordes em quatro compassos. No primeiro compasso, as notas Fá e Ré não pertencem ao acorde de Dó menor, assim como a nota Si bemol, no segundo compasso. A nota Sol do terceiro compasso, apesar de não fazer parte do acorde de Fá menor, não é nota de passagem, trata-se de uma apojatura, um outro tipo de nota melódica.

Estas notas Fá, Ré e Si bemol no exemplo, não têm função tonal, apenas de embelezamento. A maneira como estão sendo utilizadas, em movimento conjunto entre notas reais (do acorde) suaviza o efeito de “estranheza” causado pelo não pertencimento ao acorde. Esta configuração específica em que estão empregadas no exemplo é classificada como nota de passagem.

Construção

As notas de passagem preenchem o espaço entre duas notas reais com um movimento em mesma direção em grau conjunto. Por exemplo, considerando a voz do Soprano na figura abaixo, no primeiro compasso, o espaço entre as notas Dó e Mi é preenchido pela nota Ré; no segundo compasso, o espaço entre as notas Dó e Sol, é preenchido pelas notas Si e Lá e, no terceiro compasso, o espaço entre as notas Ré e Si é preenchido pela nota Dó.

Há três questões a se observar neste fragmento.

  1. É possível ter mais de uma nota de passagem entre notas reais, conforme ocorre no segundo compasso
  2. É possível que a primeira nota real pertença a um acorde e a última, a outro, conforme ocorre no segundo e terceiro compassos
  3. É possível ocorrer notas de passagens tanto em tempo ou parte de tempo fraco (mais comum) quanto em tempo ou parte de tempo forte. No terceiro compasso a nota ocorre no tempo forte.

Em todos casos, a nota de passagem é precedida e sucedida por movimentos por grau conjunto na mesma direção. Essa sucessão de notas em grau conjunto entre notas reais minimizam a estranheza dessas notas em relação aos acordes.

Condução de vozes

Na condução de vozes, as notas de passagem não eliminam possíveis paralelismos2 de quintas e oitavas e ainda pode gerar novos problemas.

Por exemplo, no primeiro compasso da imagem abaixo, a nota de passagem Ré na voz do Soprano não anula a oitava paralela Dó-Dó/Mi-Mi com a voz do Baixo (notas em vermelho).

Já no segundo compasso, a nota de passagem Fá na voz do Baixo gera uma quinta paralela Fá-Dó/Sol-Ré com a voz do Soprano. A remoção dessa nota de passagem eliminaria a quinta paralela.

Análise

A melodia do início de Ingênuo, de Pixinguinha e Bendito Lacerda (abaixo), é caracterizada pela presença de passagens em grau conjunto. Uma das possíveis formas de harmonizar esse trecho é usar a tônica (Fá maior) e a dominante do grau iii (Mi maior). Nos dois primeiros compassos, as notas Ré, Mi e Si bemol são melódicas, não pertencem ao acorde de Fá maior.

Neste exemplo é possível observar as características principais das notas de passagem:

  • são precedidas por um movimento em grau conjunto
  • resolvidas por um movimento em grau conjunto na mesma direção que o anterior
  • o conjunto das notas melódicas se inicia e finaliza em uma nota do acorde

Vídeos

Blue bossa:

Ingênuo:

Referências


  1. Ver link para notas melódicas na seção de Referências. ↩︎

  2. Ver link para movimento paralelo na seção de Referências. ↩︎

Marcos Sampaio
Marcos Sampaio
Professor de Teoria e Composição Musical

Meus interesses de pesquisa incluem Musicologia Computacional, Contornos melódicos, Teoria Musical e Joseph Haydn.

Relacionados